Medicamentos que Matam

Medicamentos que Matam

 07/08/2020

Você sabe o que é?

IATROGENIA MEDICAMENTOSA

No final do ano passado recebi no consultório um senhor chamado Roberto Oliveira (nome fictício), 43 anos, técnico em informática, casado e pai de três filhos, naquele momento desempregado, que me relatou uma historia bastante peculiar que gostaria de partilhar com vocês:

Em seu trabalho repetitivo de informática (programação) desenvolveu um sintoma doloroso nos tendões diagnosticado pelo médico do trabalho como Lesão de Esforço Repetitivo (LER) onde foi prescrito a ele um anti-inflamatório, Nimesulida 100mg (30 dias) e uma semana de repouso. Começou o tratamento e logo sentiu melhora das dores nos tendões, mas começou a sentir um desconforto gástrico, dor em queimação, náuseas e até vômito algumas vezes depois de comer. Foi então em um médico gastroenterologista que pediu uma endoscopia pois suspeitava de uma úlcera gástrica. Enquanto esperava o resultado do exame o clínico prescreveu Omeprazol 20mg uma vez ao dia, antes do café da manhã, durante oito semanas. Com esse tratamento ele passou a sentir melhoras do desconforto gástrico e sentiu até mais fome depois do inicio do tratamento. Entretanto notou que estava recorrentemente com infecção do trato respiratório superior e que teve um aumento das enzimas hepáticas (ALT, AST, fosfatase alcalina e bilirrubina), além de apresentar erupção de pele e prurido, urticária, mal-estar geral (mas o estomago não doía mais, por isso continuou a tomar por mais um tempo). No primeiro mês ele mencionou que tinha tido dois casos de infeção respiratória, para os quais foi prescrito Amoxicilina + Clavulonato 500 mg (uma cápsula) três vezes ao dia (de 8 em 8 horas) por 20 dias. Melhorando já nos primeiros 3 dias depois do inicio do tratamento, mas persistindo bravamente mesmo com as náuseas que voltaram até o vigésimo dia. Notou depois do tratamento que a sua função intestinal mudou radicalmente e tinha agora inflamação no cólon (intestino grosso), causando diarreia grave com sangue e cólicas abdominais, além de notar problemas para urinar com dor e presença de sangue e cristais na urina. O Roberto pegou mais 30 dias de atestado para fazer todos os exames e resolver de uma vez a sua saúde. Nestes 30 dias fez uma colonoscopia que demonstrou uma colite ulcerativa, e fez ainda uma segunda endoscopia para validar o diagnóstico de ulcera gástrica do primeiro gastro. O médico entrou com o tratamento padrão para colite grave. Roberto ficou em internação hospitalar para receber hidrocortisona 100 mg IV de 8 em 8 h por 10 dias, seguido de ciclosporina: 10mg/dia, infusão contínua. Depois de 20 dias internado o Roberto teve alta, e pode voltar pra sua casa, mas ainda de atestado porque apresentou alterações e picos de pressão arterial persistente, para os quais foi prescrito Captopril, comprimidos de 25 mg, e Hidroclorotiazida 100mg duas vezes ao dia, para reduzir o edema e a pressão aumentada pelo tratamento da colite. Os picos de pressão ficaram controlados, mas como ele falou “não dava pra descuidar e ela já subia de novo”. No mês seguinte ao inicio do tratamento ele também estava com níveis glicêmicos muito altos, e passou a tomar também Metiformina 500mg 1 comprimido duas vezes ao dia (“ainda bem que esse o Governo nos dá” segundo as palavras do Roberto). Tudo aquilo o deixou muito fraco e deprimido e o seu psiquiatra prescreveu Paroxetina 20mg 1 vez ao dia mais alguns suplementos vitamínicos.

 

Atualmente o Roberto toma em sua rotina diária medicamentosa:

1. Nimesulida 100mg ... quando sente dor

2. Omeprazol 20mg ... quase sempre

3. Amoxil 500 mg ... sempre que gripa (frequentemente)

4. Dexametasona uso continuo ... por causa da inflamação intestinal

5. Captopril 25 mg  ... como anti-hipertensivo

6. Hidroclorotiazida 100mg ... Como anti-hipertensivo e antiedematogenico

7. Metiformina 500mg ... pra controlar o diabetes

9. Paroxetina 20 mg ... porque depois de tudo isso ele ficou deprimido

10. Suplementos vitamínicos ... pra compensar a dieta restritiva que tem que fazer por causa da cirurgia.

 

Roberto ainda apresenta LER, só que agora também tem hipertensão, diabetes, uma bolsa de colostomia, depressão, uma úlcera no estomago, e fica frequentemente gripado.

 

ENTENDEU O QUE É REAÇÃO IATROGENICA?

“O termo iatrogenia refere-se a doenças ou alterações patológicas criadas por efeitos colaterais dos medicamentos.”